Inspirações Pessoal

Transição capilar – antes e depois!

transição_antes_e_depois
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Ando recebendo muitos e-mails e mensagens de meninas que estão aderindo à transição capilar. É um pouco difícil de entender e saber o que fazer de primeira, mas o Cacheia ta aqui pra ajudar todas vocês! Esse é um post pra ajudar a guiar um pouco vocês e também pra servir de inspiração.

Transição capilar – o que é?

É meio óbvio pra algumas pessoas, mas não pra todas: para assumir os cachos, você precisa abrir mão da química.
Então o primeiro passo é largar a progressiva/relaxamento/definitiva, qualquer que seja a química que você esteja fazendo. Lembrando que beleza natural TAMBÉM É QUÍMICA!

Segundo passo, coisas que não te contaram sobre a transição capilar. Você precisa estar ciente de que uma hora ou outra vai precisar cortar o cabelo (não quer dizer que tenha que raspar, nem que cortar joãozinho, mas é o único jeito de remover a química definitivamente).

Terceiro passo, paciência. Cabelo cresce, minha gente! E você ainda pode fazer uma boa ação doando seu cabelo quimicado para instituições como a Rapunzel Solidária, que recolhe cabelos e doa para pessoas com câncer.

A minha transição foi um tanto quanto confusa, eu tinha 15 anos de idade e foi justo quando comecei a namorar que desisti de fazer progressiva. Meu cabelo estava fraco, seco, caindo muito, cheio de pontas duplas, quebradiço e super volumoso (mesmo liso). Comecei a tratar dele e a lavá-lo com mais frequência. Até o momento eu não pretendia voltar aos cachos, eu só não queria estragar meu cabelo mais ainda. Parei de fazer chapinha e só o usava preso.

transição_antes_e_depois
Transição: Antes e Depois.

Sofri muito, admito, auto estima baixa principalmente. Mas acho que toda cacheada que já passou pela transição entende isso. É um ponto essencial da vida de cada uma. É uma forma de valorizarmos nós mesmas, nossa batalha, vencer o preconceito. Na minha opinião, é disso que se trata a transição. Não é algo pra ficar “na moda”. Já me falaram “mas você voltou aos cachos só porque ta todo mundo usando”. Acho que foi a coisa mais sem noção que já me disseram. Não ficaria 1 ano e meio usando o cabelo preso, gastando com cremes e chorando de tristeza pra simplesmente ficar “na moda”. Entendo quem faz isso, mas simplesmente não entra na minha cabeça.

Demorei um pouco a me acostumar com o volume, com o frizz, com todas as características do meu cabelinho natural que a tanto tempo tinha cismado em sumir. Mas é só costume. Libertar os cachos: a melhor coisa do mundo é você lavá-lo, deixá-lo secar sem passar nada e andar pela casa com ele natural. É um ótimo jeito de conhecê-lo.

Repetindo, meninas, queridos leitores, mulheres, cacheadas de todo o Brasil/mundo: Ter cachos é uma questão de auto-aceitação. É uma luta contra o racismo que está, infelizmente, dentro de nós. Luta contra o preconceito de todos para provar que você é capaz, você merece ter o cabelo assim e SIM, VOCÊ PODE. E isso NUNCA, nunca vai sair de moda.

Having curly hair is a self acceptance. Is a fight against the racism that is unfortunately inside of us. Fight against the preconception of everyone; to prove that you’re able to, you deserve have curly hair and YES, YOU CAN. And that never, NEVER goes old fashioned.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Você também pode gostar: