Vou viajar ou morar fora. E agora? Como cuidar do cabelo no exterior?

  • Home
  • Dicas
  • Vou viajar ou morar fora. E agora? Como cuidar do cabelo no exterior?

O post de hoje foi escrito pela Nataly Lima, do “Já Fez as Malas?” Nos conhecemos na PUC-SP há alguns anos e, recentemente, quando a Maressa teve a ideia de criar o post Cuidados com cabelos cacheados/crespos no exterior, lembrei que a Nataly, que vive no exterior e está sempre viajando, passou pela transição fora do Brasil e convidei-a para escrever um pouco sobre a sua experiência de como cuidar do cabelo no exterior.

Fiquem com as dicas dela e não deixem de acompanhá-la no YouTube e redes sociais ;)

Como cuidar do cabelo no exterior?

Como cuidar do cabelo no exterior?

Vou viajar ou morar fora. E agora? Como cuidar do cabelo no exterior?

Esta é uma dúvida que até pode parecer bobagem para alguns, mas é um comentário que recebemos com muita frequência no Já Fez as Malas?, principalmente de quem tem cabelo cacheado, quimicamente tratado ou está passando por uma transição capilar.

Leia também: Minha transição capilar fora do Brasil 

Afinal, se já é complicado cuidar da cabeleira quando estamos em nosso país, cercados de produtos, tratamentos e profissionais que já conhecemos, imagine passar por tudo isso do outro lado do mundo.

Para amenizar a preocupação de quem se vê numa situação parecida, aqui vão algumas dicas usadas por muitas brasileiras vivendo no exterior.

1. A água não é igual

Esperando o cabelo secar naturalmente na Bélgica

Esperando o cabelo secar naturalmente na Bélgica

Quando se viaja para outro país, logo se percebe que água tem gosto, cor e minerais diferentes. Em Portugal, por exemplo, a água tem mais calcário. Mas, o que isso tem a ver com cabelo? Tudo!

Quando colocamos nosso cabelo em contato com outro tipo de água do que o habitual, o resultado tanto pode ser um cabelo mais sedoso, como o contrário, e causar o famoso efeito “espiga de milho”.

Se esse for o caso, o jeito é investir em uma hidratação pesada e com mais frequência até que o cabelo se acostume dentro de alguns dias ou semanas.

2. Umidade

Passar uma temporada em um lugar com muita umidade também pode causar bastante frizz e dificultar a definição do cabelo. Neste caso, hidratar o cabelo com frequência também é indicado, dando preferência aos óleos. Dica: O de coco pode ser facilmente encontrado no exterior por menos de 4€ pelo frasco de 400 g.

Já em dias de muita chuva, vento ou neve, o melhor é investir em penteados e abusar das toucas, chapéus e outros adereços, aproveitando a mudança climática para inovar e experimentar coisas que talvez não usaria no Brasil!

3. Sair de cabelo molhado só no verão

Mesmo quem gosta de sair com o cabelo molhado e deixar secar naturalmente, dependendo do país e da estação do ano isso pode não ser recomendado para evitar ficar doente.

Nesses dias, uma boa opção pode ser usar o secador com ou sem o difusor, pelo menos para tirar toda a umidade antes de sair de casa.

Fora do Brasil não faltam bons protetores térmicos para esta tarefa, como o “All in One” da Unique One, que custa cerca 7€.

Experimentando outros produtos e recursos

Não adianta se apegar a uma marca ou linha de cabelo brasileira e querer ser feliz para sempre. Isso porque pode ter dificuldade em encontrar e não é preciso se desesperar.

Uma vez que a água já vai ser outra de qualquer forma e o clima também, dá para aproveitar e experimentar outros produtos e marcas, já que produtos internacionais de marcas famosas costumam ser muito mais baratos no exterior.

Já no caso de quem vai para países onde a indústria de cosméticos não oferece tanta variedade como no Brasil (na Croácia e em outros países do leste europeu, por exemplo, é raro encontrar creme de pentear), uma boa dica é montar um kit de “sobrevivência capilar” com aqueles produtos que salvam em qualquer dia e que não gosta de ficar sem.

Outra solução muito útil é aproveitar a mudança para experimentar alternativas mais naturais, como comer uma castanha do Pará por dia para ajudar a fortalecer o cabelo, usar máscaras caseiras, como a de abacate, etc.

Quem tiver interesse em mais dicas sobre vida no exterior e viagens pode conferir tanto no site Já Fez as Malas? como no canal no Youtube. É possível acompanhar minhas viagens também pelo meu Instagram pessoal 

Nataly Lima é paulistana. Jornalista e escritora, vive fora do Brasil desde 2012 e viaja pelo mundo com o site Já Fez as Malas?

 

Mariana

Mariana Boaretto, 28 anos, paulistana. Mãe-coruja do Lorenzo e da Giovana, formada em Comunicação e cursando MBA em Marketing. Descobriu sua paixão pelos cachos há 7 anos e adora compartilhar dicas de cuidados, aceitação e empoderamento feminino.







comments


Leave a Comment