Não sei se vocês já pararam pra pensar nisso, meninas. Eu comecei a pensar em uma aula de Ética e Comunicação na faculdade (que nem tem tanto a ver com o assunto assim) mas me pôs a refletir. Vocês sabiam que “moda” é a mídia que faz, mas baseada em valores e crenças de uma cultura, certo?

Pois então. Um dia assisti o programa do Chacrinha (velho, hein?) com minha mãe e reparei um pouco na plateia e nas dançarinas (chacretes, eu sei, sou tão velha assim não hahaha).

revolução cacheada

E então minha mãe me disse: “repara no cabelo, Ana. Quando não tinha química, a gente usava nosso cabelo assim mesmo. E ainda assim tinha gente que inventava de passar ferro pra alisar”. Mas acho que ela tava um pouco errada. A “moda” naquela época era o volumão. Daí veio o black power, todo aquele jeito hippie de ser “desleixado” e se preocupar com coisas mais importantes do que o cabelo, tipo a paz mundial.

Com o passar do tempo, a tecnologia, internet e toda essas coisas dos anos 2000, o liso ficou mais prático. Mais prático porque o cacheado/crespo é sinônimo de “desleixo”. Porque no Photoshop, é mais fácil recortar o fundo de uma modelo com o cabelo liso. Porque agora temos opção de deixar o cabelo liso e por que não deixaríamos? É tão mais fácil de cuidar. Errado.

Isso começou a ser adicionado a nossa cultura. O que é um absurdo já que mais de 50% da população brasileira é negra/parda. Como vamos aderir a algo do estilo europeu, que é ser branco, loiro, liso, dos olhos claros?

Mas tudo bem, acabou virando valor nosso isso aí.

Mas o que vejo ultimamente é como isso tem mudado. As mulheres estão deixando de se submeter ao padrão da mídia. A mídia por si só está mudando esse padrão, já que não atinge mais um público tão grande assim. Ser DIFERENTE, hoje em dia, é o que tem se tornado bonito. As mulheres, mesmo que pouca delas, tem deixado pra lá o preconceito dos homens com o cabelo “ruim” (aliás, falar “cabelo ruim” é tão ultrapassado). Os homens estão largando da química.

Não sei se sou só eu que consigo perceber isso. Mas reparem um pouco.

Não é só uma luta de cabelos, é bem mais abrangente. Abrange a luta contra o racismo, contra o machismo e contra a mídia que só nós aliena. Cachear não é moda e nunca será. A moda é ser você mesma. Parar de pôr sua saúde e felicidade em risco por um cabelo liso, por uma imagem que não é sua.

Se você pensa que é só cabelo, meu querido ou minha querida, você está bem enganado.  Só quem já passou pela transição sabe do que se trata essa luta. Sabe o que é sofrer preconceito. Sabe como é triste ver mentes tão pequenas e tão alienadas repetindo tudo o que você já ouviu e viu na TV…

Mas esse é só o primeiro passo da batalha. Nós vamos vencer. E quando vencermos, posso dizer que lutei pelo meu direito de ser eu mesma.

You may also like