Pessoal

Cortei o cabelo e não gostei, e agora?

Oi povo mais lindo do mundo! O post de hoje, é do interesse de muitas meninas. Cortei o cabelo e não gostei, e agora? Não só aquelas que fizeram o BC recentemente , mas também as que por ironia do destino, vontade própria ou impulso compulsivo resolveram “tosar” as madeixas (nesse caso EU), e depois não curtiram muito o resultado.corte_cabelo_cacheado

Em primeiro lugar, vou deixar bem claro que não existe nenhum desastre capilar que o tempo não resolva. É claro, que em alguns casos, demora mais, mas na maioria deles, basta ter um pouquinho de paciência.

Se você leu o meu post Alguém esconde a  minha tesoura por favor!, já sabe da minha obsessão por tesoura. Não é brincadeira, não é saudável, literalmente falando; não consigo controlar o impulso de cortar o meu cabelo. E pra ser sincera, nem sempre ele fica do jeito que eu imaginava.

Desde a minha última crise cortante, tenho passado por um período complicado. É assim na maioria das vezes; o impulso vem (geralmente quando estou chateada, ou estressada demais), eu picoto meus cachinhos e algumas horas depois bate o arrependimento e aquela sensação horrível de: _Putz, fiz merda! Aí, não adianta mais chorar pelo leite derramado (ou pelo cacho cortado).

supercachos
Resultado da minha recente ceifada capilar.

 

Como eu sei que cortar o cabelo e se arrepender depois não é algo tão incomum, vou compartilhar com vocês algumas dicas pra que ninguém se desespere no período pós corte-do-mal.

  • Nada de paranoia

sem_parnoia_cabelo_cacheado

A gente não sabe, mas na maioria das vezes a diferença do nosso cabelo é menor do que imaginamos (isso vale para cortes menos radicais). Geralmente, as pessoas nem percebem que cortamos o cabelo. Falo isso por experiência própria. Se eu não falasse da última vez, ninguém ia perceber. No caso dos BC e cortes mais impactantes, não precisa ficar com vergonha e sair na rua com medo do que os outros vão pensar. Mudar é bom, mesmo que as vezes seja um pouco desconfortável até nos acostumarmos com a mudança.

  • Acostume-se com o novo cortecabelo_cacheado_corte

Aprender a lidar com o novo corte, é o mais importante nesse momento. Como muitas de vocês já devem saber, cabelo cacheado, qualquer pedacinho que tiramos, já muda o formato, a dimensão, o volume, a definição e a capacidade de ficar do jeito que a gente quer. Então, ao invés de tentar fazer ele ficar de um jeitinho qualquer, adapte-se ao seu corte e explore novas maneiras de usar o seu cabelo.

  • Abuse dos acessórios
Alguns da minha coleção (ps:adoro azul)
Alguns da minha coleção (ps:adoro azul)

Na hora do desespero, vale a pena recorrer aos acessórios para cabelo. Existe uma variedade imensa de coisinhas e frufrus, e se te falta ideias, da uma olhadinha no nosso post sobre acessórios para cabelos cacheados.

  • Capriche na makemake

Para as adeptas da maquiagem, essa é uma boa hora para dar uma olhadinha nas dicas e tutoriais sobre make. Eu sempre recorro a uma boa maquiagem (dentro da minha humilde capacidade) na hora que bate aquela insegurança com o cabelo.

  • Invista no bocão vermelhobatom_vermelho_e_cabelo_cacheado

Não sei vocês, mas eu acho que cabelo crespo/cacheado foi criado junto com o batom vermelho. Sinceramente, não existe nada mais divo que um cabelo crespo/cacheado bem cuidado e aquele “batonzão” bem vermelhinho. Mas isso também serve pra quem prefere o rosa, roxo, lilás, preto, laranja, azul etc. Só não vale ficar sem batom porque acha que o cabelo não ta legal!

  • Cuidado acima de tudo

Isso eu nem precisava lembrar, né? O cuidado com nosso cabelo deve ser diário, deem uma olhadinha nas nossas dicas e receitinhas e sempre que der, tente seguir o cronograma capilar.

  • Seja paciente

Se tem uma coisa que eu aprendi nesse tempo de “cacheia”, é que cabelo cresce! Então não precisa ficar angustiada, porque quando você menos esperar, seu cabelo já vai tá grande de novo. Aí você vai ver que todo aquele drama de “estou odiando meu cabelo” foi em vão.

Bom, essas são algumas dicas que costumo levar em consideração sempre que me sinto chateada por fazer besteira com meu cabelo. E antes de terminar, vou confessar pra vocês uma coisa. Ontem tive uma conversa com  Raysa França (coleguinha aqui do blog  <3), e contei pra ela que não estava muito bem. Disse que estava me sentindo um monstrinho e que pra piorar tudo, havia cortado o meu cabelo novamente, o que me deixou mais pra baixo ainda, porque não é algo que eu consiga controlar. Tivemos uma boa conversa, e me senti super aliviada por saber que não é só eu quem passa por isso.

Esse post aqui, já estava quase pronto a alguns dias, mas eu estava me sentindo meio hipócrita, dando todas essas dicas pra vocês, e no fundo me sentindo um lixo. Daí, depois que conversei com Ray, refleti no que ela me disse. Afinal, eu também sou humana, também tenho minhas inseguranças. E foi esse um dos maiores motivos que me fizeram aceitar o projeto Cacheia. Tinha acabado de tomar a decisão de voltar a cachear, e dividir minha “História capilar” com vocês, tem me dado muita força pra aguentar toda pressão que tenho sofrido desde que tomei a decisão de aceitar o meu cabelo.

Por isso, o post de hoje é em primeiro lugar pra mim, e depois pra vocês. Porque eu também preciso aprender a maioria das coisas que falo aqui. Como falei anteriormente no post “Qual é o tipo do meu cabelo“, no fundo, o preconceito maior vem dos padrões que estabelecemos pra nós mesmas e nos frustramos quando não conseguimos segui-los. E  o meu objetivo tem sido lutar em prol de combater esses preconceitos e um dia poder olhar no espelho e me amar como sou.

Espero que tenham gostado, um beijo meus amores! :*

 

 

 

You may also like