Crônicas

Pelo direito de cachear!

cabelo cacheado
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Olá Cacheadas!

Venho hoje contar a vocês o episódio que me ocorreu hoje, no salão de beleza. Lá estava eu fazendo cauterização (ok, podem jogar pedras, mas ouvi muitos elogios quanto a ela) e lendo umas revistas. O que me chamou a atenção foram 3 capas (não posso citar o nome das revistas), mas todas elas tinham cacheadas como modelo. Abri a revista e fui folheando página por página. Lisos, lisos, lisos, lisos e mais lisos. Propagandas de produtos para progressiva. Modelos lisas naturais fazendo babyliss. Gente, que mundo é esse?

Além do mais, em meio essas milhões de propagandas fazendo te fazer pensar que só existe cabelo liso, a matéria sobre a tão linda modelo da capa tinha 3 páginas. TRÊS PÁGINAS. Três páginas sobre um cabelo cacheado super bem cuidado dentre mais de 100 páginas sobre cabelo liso. Qual é.

Eu sei que isso sempre existiu e sempre haverá de existir, mas eu só consegui enxergar agora. Quem tem cabelo liso quer cachear, quem tem cachos quer alisar. Por que não aceitar o natural?

Não sou contra o liso, pelo o contrário, acho maravilhoso. O natural, claro. Assim como sou fã e admiradora de todos os cabelos naturais. Não só cabelo, acho que tudo natural fica mais bonito.

Pode parecer uma leve tirada, daquelas meninas que se acham superiores a todo mundo, mas essa frase deveria começar a entrar no mundo da moda: aceita que dói menos.

É óbvio que não se encaixa em todas as situações, mas pra que ficar lutando contra sua natureza? Se Deus te fez assim, é porque ele quer que você seja assim por algum motivo. Ficar remando contra a corrente é tão típico do ser humano. E tão estúpido…

Então fica aqui o meu, o nosso manifesto por um mundo mais natural. Não tente ser quem você não é. Use seus defeitos a seu favor e assim não serão mais defeitos. Afinal, ninguém é perfeito. Ninguém é igual. Seja você mesmo.

 

Foto: http://www.flickr.com/photos/laurad24

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Você também pode gostar: