Cuidados com cabelos cacheados/crespos no exterior

Cuidados com cabelos cacheados/crespos no exterior - cabelo cacheado preto longo

Viajar ou se mudar para o exterior pode representar uma mudança radical na rotina capilar. Como o Cacheia recebe algumas dúvidas sobre o assunto mas eu mesma nunca botei o pézinho fora do país, pedi a contribuição das leitoras para listar dificuldades comuns e reunir várias dicas para garantir a sobrevivência das madeixas lá fora. Bora lá!

Cuidados com cabelos cacheados/crespos no exterior

A água fora do Brasil é diferente? Sobre a água calcária ou “água dura”

A “água dura” é uma das reclamações mais comuns entre as cacheadas e crespas que vivem no exterior, principalmente em países europeus. A água nessas regiões é diferente do Brasil porque possui alta concentração de alguns sais minerais. Para ajudar a entender melhor, confira o que a Bruna Marins, moradora da Alemanha, contou pra gente:

“Aqui o ar às vezes é muito seco e os fio ficam extremamente secos e opacos, um horror! A água é “pesada” ou seja, tem muitos minerais, principalmente, calcário. O calcário acumula nos fio e aí é só chorar… […] Depois de 6 meses aqui meu cabelo começou a ressecar de uma forma inacreditável. Eu ainda não sabia que poderia ser a água. Nossa! Foi muito tenso. Eu não sabia o que estava acontecendo. Meu cabelo não definia mais, estava extremamente opaco e seco, assustador. Tentei várias coisas. Troquei de cremes, lavei com mais frequência, mas não adiantou. Até que decidi usar o shampoo normal, aquele com sulfato. Coloquei bastante água para enfraquecer o sulfato. E senti diferença. O brilho voltou e a definição também. Foi aí que me dei conta que o problema era a água pesada. Não quero continuar usando sulfato, então fiquei sabendo sobre um filtro que filtra os minerais da água. Encontrei esse filtro na Amazon, comprei para testar e funcionou!! Meu cabelo voltou ao que era!” Bruna Marins, 31 anos, professora, mora em Hannover na Alemanha. 

Como deu para perceber no relato da Bruna, a tal “água dura” não é a melhor amiga dos cabelos cacheados e crespos e pode deixá-los com aparência ressecada. Além disso, a “água dura” tem um gosto diferente da água do Brasil e produtos como shampoos tendem a espumar menos em interação com ela. Entre as soluções para driblar o problema, estão as hidratações semanais e o enxague dos fios com água mineral sem gás. Para quem tem condições financeiras, a compra do filtro para abrandar a “água dura” sugerido pela Bruna é outra possibilidade.

Difusor para enfrentar as temperaturas baixas

Aqui no Brasil o calorão dura praticamente o ano inteiro! Mas em alguns países a situação é bem diferente e as temperaturas mais baixas podem representar uma dificuldade para quem tem cabelos cacheados ou crespos. Olha aí o relato da Elaine, que não me deixa mentir:

Cachos no exterior. Elaine, 40 anos, Inglaterra“Meu cabelo é tipo 3B, grosso e poroso, e tem muitos cabelos brancos. Aprendi a cuidar do meu cabelo fazem 2 anos quando tive meu choque químico, parei de escutar as pessoas (brasileiros) para alisar. A minha dificuldade é só no inverno por deixar produtos e com secar naturalmente. A água é muito calcária. Colorir, tratar e cortar faco tudo eu, por falta de ofertas de salões low poo aqui na minha cidade. Hoje encontro muitos produtos bons na farmácia boots e superdrugs, Lush, mas Ebay e Amazon também tem varias boas opções”. Elaine, 40 anos, trabalha como garçonete na Inglaterra

A gente já sabe que aqui no Brasil, a recomendação geral é deixar os fios secarem naturalmente. Uma boa dica para acelerar esse processo é usar um tecido 100% algodão ou uma toalha de microfibra para retirar a umidade dos fios depois da finalização. A ideia é apertar suavemente, sem esfregar. Mas já que nem sempre dá para esperar a natureza fazer o trabalho de secagem, principalmente considerando contextos de inverno rigoroso, o jeito é recorrer ao difusor. Ah, e vale destacar que o uso de um protetor térmico antes de expor os fios ao calor é essencial. Nossa leitora Natália, também compartilhou algumas “dicas de sobrevivência” ótimas para quem enfrenta o friozinho no exterior:

Cuidados com cabelos cacheados no exterior. Natália, Suíça“Por muitos anos alisei o meu cabelo e,  há 4 anos, passei pela transição. Tenho cachos tipo 3B. Minha rotina de cuidados com meu cabelo sofreu poucas alterações após minha mudança de país, no entanto, as mudanças que fiz foram fundamentais! Nos dias quentes, lavo o meu cabelo exatamente como no Brasil, ou seja, 3 vezes por semana. Já no inverno, lavo meu cabelo no máximo 2 vezes por semana. Realizo também hidratações após todas as lavagens, pois o inverno daqui associado a água quente e ao calcário dão uma fragilizada importante nos fios. Após lavar, hidratar e condicionar, finalizo com fitagem (óleo + creme). O uso do difusor é indispensável no inverno, tanto para que o cabelo não congele ao sairmos com temperaturas baixas, como também para evitar resfriados etc. Com isso consigo ter até 3 bons day afters, só revitalizando o cabelo com uma minha misturinha de um creme levinho, óleo e Bepantol no borrifador”. Natália Jordi, 32 anos, Terapeuta Ocupacional. Mora em Langenthal (Bern), na Suíça.

Dificuldade para encontrar produtos específicos para cabelos cacheados e crespos no exterior: algumas soluções

Já ouviram aquela música que diz “Nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia”? Pois é! Provavelmente as prateleiras de cosméticos que você vai encontrar lá fora não estarão tão cheias de lançamentos para cachos como no atual cenário brasileiro. Essa oferta de produtos pode variar bastante por fatores diversos como perfil populacional, hábitos de consumo, etc. Por exemplo: nosso amor pelo uso de óleos finalizadores e creme de pentear não é comum em alguns países, o que pode refletir diretamente no tipo de produto que você encontra nas prateleiras. Veja só o que dizem nossas leitoras:

Cuidados com cabelos ondulados no exterior, Mayara, República Tcheca“Estou em transição, comecei esse ano, são 9 meses sem química. Meu cabelo está entre 2A – 2B, decidi mudar porque acho que temos que ser quem nós somos com muito orgulho e hoje eu amo meu cabelo, mas encontro muitas dificuldades por aqui. Existem pouquíssimas coisas para cabelos cacheados e somente em lugares específicos, em lojas comuns de perfumaria eu não encontrei nem mesmo shampoos, e cremes para pentear são ainda mais difíceis. Aqui eu encontro muitos leave-in’s líquidos, mas não são muito úteis para modelar, normalmente uso no day after, para ajudar a umedecer os fios. A marca que mais me ajuda por enquanto é a Nivea, o shampoo e condicionador são muito hidratantes, mas para modelar uso L’Oréal, são o que me ajudam por aqui, eu trouxe cremes do Brasil para hidratação, porque aqui não existem muitos, mas para nutrição eu encontro vários produtos, cremes, óleos… Mas a reconstrução ficou quase impossível”.  Mayara Thairyne, 23 anos, mora na República Tcheca. 

Cuidados com cabelos crespos no exterior, Samira, Estados Unidos“Meu cabelo é 3C e 4A, e uso a técnica do Low Poo. […] Eu costumo lavar o cabelo 3 vezes na semana, porque aqui é muito quente. Não sigo o cronograma, às vezes faço umectação com óleo de coco ou rícino, mas sempre hidrato quando lavo. Uma particularidade daqui é que não têm creme de pentear, se usa um leave-condicionante ou o próprio condicionador, mas existe muito gel, manteiga e mousse (ambos com consistência de gel) sinto que a preocupação maior é definir o cacho a qualquer custo na finalização. […] Aqui em Miami os bairros são “meio que divididos” por etnia, logo num bairro de negros você vai encontrar mais produtos para cabelos cacheados e principalmente crespos, com preços bacanas”. Samira Duarte Villani, 37 anos, mãe e esposa em tempo integral, mora nos Estados Unidos. 

Cuidados com cabelos cacheados no exterior, Tamara, Portugal“Apesar de já estar na vida cacheada a 3 anos, o cabelo ainda foi minha primeira preocupação quando decidi vir para Portugal, pois por não ser um país tão miscigenado quanto o Brasil ou EUA, a demanda de produtos e mão de obra especializados é muito menor. Grande parte das marcas que eu estava acostumada a consumir, nacionais e importadas, não são encontradas facilmente em terras lusitanas. Por exemplo, só encontrei Deva Curl em um site português ou então na Amazon do Reino Unido. Uma marca que curiosamente tem bastante presença por aqui é a Novex, as adeptas do Santo Black Poderoso podem respirar aliviadas! Eu particularmente não tenho o hábito de consumi-la, mas por conta do fácil acesso estou mudando de ideia. Por outro lado, produtos de marcas premium tradicionais que estão se interessando pelo mercado cacheado, como a linha Kerastáse Discipline e L´oreal Professional Curl Contour, chegam às prateleiras com valores mais baixos em comparação ao Brasil. Tento gastar o mínimo de tempo possível com o cabelo para ter uma rotina de cuidados mais prática […] . Tamara Oliveira, 28 anos, gerente de projetos, mora em Porto, Portugal. 

Diante da dificuldade para encontrar produtos para cabelos crespos ou cacheados, uma alternativa é optar por tratamentos naturais, como as famosas receitinhas caseiras. No caso da Isabela, os produtos naturais foram os salvadores da pátria até que ela se adaptasse ao novo ambiente e encontrasse cosméticos adequados para a rotina dela:

Cuidados com cabelos crespos no exterior, Isabela, Estados Unidos“Tenho um cacho 3C que é naturalmente seco e confesso que no início piorou um pouco pela influência do clima, água e alimentação. Então precisei me adaptar a tudo isso. Voltei a seguir o cronograma capilar e apostei nos produtos naturais como o óleo de coco, azeite de oliva e abacate até encontrar produtos que fossem realmente bons e meu cabelo gostasse. A parte boa daqui é que a grande maioria dos produtos são liberados pra quem segue o low ou no poo. A parte ruim é que não se encontra facilmente salões que trabalham com nosso tipo de cabelo. Tem o super famoso “Deva Curl” que fica no centro de San Francisco mas que ainda não cheguei a conhecer pois faço tudo em casa; corte, tratamentos e até mesmo tintura. RS. E é super fácil de encontrar produtos para cabelos crespos e cacheados em qualquer farmácia. O segredo é apenas ir testando e ver qual seu cabelo gosta mais. Nesse período eu aprendi que não preciso usar produtos que sejam apenas para cabelos cacheados. A linha Aussie, por exemplo, funciona super bem e é para todos os tipos de cabelo!” Isabela Rocha, 24 anos, moro na California, EUA.  

Como nem sempre dá para encontrar produtos, principalmente no caso de quem segue rotinas como low poo ou no poo, algumas mulheres costumam levar cosméticos do Brasil ou comprar via internet, como é o caso da Luana, que está morando na França. Essa opção pode ser bacana desde que alguns cuidados sejam tomados. Além das precauções normais, como checar a segurança do site, prazo para entrega, procedência dos produtos, considerar que podem rolar problemas com alfândega, etc; é importante ter em mente também que fatores como clima e/ou no ph da água, podem fazer com que cremes que funcionam super bem nos nossos cabelos aqui no Brasil, já não funcionem de forma adequada lá fora, exigindo o uso de produtos locais mesmo.

Cuidados com cabelos cacheados no exterior, Luana, França“Minha rotina mudou bastante em relação aos cuidados com o cabelo aqui na França porque infelizmente não existem produtos específicos para cabelos cacheados, existem varias lojas especializadas em cabelos crespos mas para cacheados não tem muitas opções.  Meu cabelo é um 3A e eu faço low poo os produtos que uso são da marca Shea Moisture uma marca americana que compro pela internet, aqui nos supermercados não existem muita opção e uma coisa difícil de encontrar são os cremes de pentear e leave-in a maioria dos produtos mais baratos daqui ainda utilizam os parabenos, silicones e petrolatos. Aqui nunca encontrei marcas brasileiras em lojas físicas mas já comprei o creme da Novex meus cachos pelo site Amazon, paguei 25 euros pelo pote”. Luana, 33 anos, assistente administrativa. Mora em Vaux sur Seine, França.

É possível encontrar marcas brasileiras lá fora?

 Cês sabem que brasileiro não desiste nunca né? E não é que algumas meninas encontraram marcas brasileiras lá fora?! A Karina por exemplo, usava os cabelos alisados mas acabou passando pela transição capilar na Espanha:

cuidados com os cachos no exterior, Karina, Espanha“[…] eu comecei a seguir o cronograma Capilar com itens de hidratação, nutrição e reconstrução, aqui tive acesso aos famosos produtos da Deva Curl. Antes comprava pela Strawberry, dai começaram a cobrar uma taxa sobre a quantidade de “mls”, então tive que me adaptar e provar outros produtos. Também encontro algumas ofertas da Deva Curl pela Amazon.es, onde já comprei o secador “mãozinha” por 26€. Aqui existem também lojas de produtos brasileiros (Madrid), nas quais encontramos produtos da Embelleze, Bioextractus, Haskell , etc. Também aqui em Malaga encontrei à venda produtos da INOAR, no qual o atendimento é magnifico […] . Achei um representante da Lolacosmetics – que está em Genebra – muito atencioso,  que me passou o email e te envia um catalogo dos produtos disponíveis da Lola com seus respectivos preços, que ele dispõe no momento. Karina Souza de Santana, pedagoga, 36 anos, mora em Málaga, Espanha. 

 Se virando por conta própria

Encontrar salões especializados em cabelos cacheados e crespos pode não ser muito fácil, por isso muitas mulheres optam pelos cuidados caseiros. Nessas horas as pesquisas online podem ajudar bastante, então dedique um tempinho lendo, vendo vídeos e trocando informações com outras mulheres para aprimorar sua habilidade nos cuidados com o cabelo em casa. Nem sempre vai dar para encontrar os mesmos produtos que você costumava usar no Brasil, então pega a dica da Ana Paula, e tente se adaptar como puder:

Cuidados com cabelos cacheados no exterior, Ana Paula, Austrália “Aqui tem muitas linhas populares de produtos comercializados no Brasil, mas as linhas vem pra cá sem o creme de pentear, acredito q pela falta de público mesmo. Linhas como Élseve, Fructis e Seda só tem shampoo, condicionador e creme de hidratação. Achei um único creme de pentear da Pantene, mas ele não segurava os meus cachos depois de secos. Aprendi a usar gel junto e isso deu uma melhorada. Meu primeiro gel foi um da marca Joico, que achei nas listas de produtos liberados. Hoje em dia eu uso shampoo da marca Sukin, à vezes faço co-wash com um condicionar da marca Fructis, linha Pure Shine que diz ser sem silicone. Após a lavagem, uso condicionador no poo de uma empresa/marca menor, desconhecida, mas poderosíssimo e barato. Uso óleo de coco que compro em loja de produtos naturais e no momento estou usando o creme de pentear Monange laranja que um amigo me trouxe do Brasil. Tenho sorte de ter experimentado alguns produtos brasileiros como o yamasterol amarelo, o Milagre da Lola Cosméticos, o redutor de volumes da Capicilin e os Monanges Rosa, preto e laranja, mas são mimos que vêm daí sempre que amigos meus vão de férias. […] Antes de eu vir, fiz uma pesquisa e vi que aqui a maioria da população é branca de cabelo liso. Isso me deu a ideia de aprender corte no YouTube também. Não fica lindo, mas nunca tive coragem de ir ao salão aqui e nem tenho curiosidade. Vou continuar aparando eu mesma. Faço uso de Casting Creme Gloss da L’Oréal esporadicamente pra disfarçar os brancos, essa dica eu também peguei das listas de produtos liberados da internet. Já encontrei salão especializado em produtos mais naturais, sem os químicos indesejáveis, mas não em cachos. Acho que poderia classificar como um salão no/low poo e ate confiaria em fazer uma hidratação profissional se fosse o caso. Também encontrei salão afro especializado em tranças. Fiz uma vez e gostei. […] A dica que eu dou pra quem vem pra Austrália é focar na composição dos produtos e desapegar de marcas e de linhas completas, porque senão a gente sofre demais”.  Ana Paula, 30 anos, mora na Austrália.

No mais, tente não entrar na neura e aproveite o tempo e a oportunidade de conhecer outros contextos para além do brasileiro. Divirta-se, trabalhe, estude e aprenda o máximo que puder. Até a próxima!
Foto de capa: Cabelo lindo da nossa leitora, Karina Souza de Santana.

Maressa De Sousa

Maressa, 23 anos, baiana. Mestranda em Antropologia. Ama filmes e livros de ficção e aventura. Para ela, a transição capilar marcou o início de muitas outras transformações.







comments


Deixe um comentário

error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não deve ser copiado ou reproduzido sem permissão prévia e sem atribuição dos créditos. Blog Cacheia 2013-2016.