Transição Capilar

Transição capilar e família

12 de outubro de 2015

Nos últimos meses recebemos muitas mensagens com uma mesma dúvida: “Como convencer minha mãe a me deixar passar pela transição capilar?”.  Tentando responder essa pergunta percebi que ela passava por várias outras questões que vou tentar apresentar pra vocês. No final da postagem incluo algumas sugestões para falar sobre transição capilar com mães, pais, familiares, etc.

Família e direito sobre o corpo

Nós sabemos que a família é considerada uma esfera de formação. Aquela que deveria orientar, ensinar os primeiros passos, proteger, cuidar. Mas para além disso, a família é também uma esfera de regulação. É na esfera familiar que somos expostos às primeiras regras de convivência e de comportamento e que somos apresentados a uma certa moral. Geralmente obedecemos a essas regras por respeito e/ou por uma dependência financeira. Assim, a família – seja qual for sua formação- cumpre aquele papel de dizer “não” ou “sim” para algumas coisas, e muitas dessas coisas incidem sobre o corpo: poder pintar ou não o cabelo, poder colocar ou não um piercing, poder fazer ou não uma tatuagem, poder alisar ou não, etc.

Recentemente, o caso de uma mãe que fez uma espécie de relaxamento no cabelo da filha de 2 anos causou uma discussão enorme nos grupos de cacheadas e crespas do Facebook. Enquanto algumas pessoas apontavam para o perigo para a saúde da criança, outras questionavam o direito da mãe de realizar um processo como esse nos cabelos de uma criança tão pequena e defendiam o direito de que a criança pudesse crescer e escolher o que faria com os próprios cabelos. Essa discussão é muito interessante porque em geral as pessoas consideram que a família é uma esfera totalmente separada, está lá no âmbito privado onde ninguém deve meter a colher. Mas a coisa não é bem assim e nesse caso a questão acabou caindo numa discussão pública que tomou proporções enormes. Vale lembrar também que no ano passado a atriz Halle Berry conseguiu na justiça uma proibição para que o ex-namorado e pai da filha de Halle não alisasse os cabelos da criança alegando que as mudanças que vinham acontecendo poderiam causar danos psicológicos para a menina.

transição capilar e família - menina

Estou dizendo tudo isso para mostrar que essas questões são mesmo muito delicadas. Quem pretende entrar em transição capilar e ainda depende financeiramente de um responsável legal pode enfrentar vários obstáculos. Já recebemos relatos de meninas que queriam passar pela transição capilar mas não conseguiram permissão para isso porque o(s) responsável(is) não gostariam que elas cortassem os cabelos, porque achavam que os cabelos lisos são mais bonitos e mais fáceis de cuidar, porque preferiam pagar uma escova progressiva a comprar cremes para o cronograma capilar. A capacidade de negociar essas coisas não é igual para todas, por isso esse problema realmente vai influenciar muito na decisão pela volta ao cabelo natural. E isso nos leva à questão seguinte.

Famílias e suas várias trajetórias

Dependendo do histórico familiar, da estrutura, das condições econômicas, etc; a família exerce papéis diferentes nas vidas de cada um dos seus membros. Assim, enquanto algumas meninas são incentivadas a gostar dos seus cabelos desde cedo, outras vão ter seus cabelos alisados e/ou relaxados antes mesmo de completarem os primeiros cinco anos de vida. Enquanto algumas meninas são proibidas de alisar até determinada idade (mesmo quando pedem), outras vivem num ambiente que favorece que esses processos aconteçam mais rápido (como é o caso daquelas que tem uma mãe ou tia cabeleireira por exemplo – meu caso).  O modo como a autonomia de cada criança, pré-adolescente, adolescente ou jovem  será tratada tem relação com o ambiente familiar onde se vive.

Em boa parte dos casos que tive contato, a figura materna é a responsável por iniciar o processo de alisamento no cabelo das crianças. Em primeiro lugar porque geralmente a tarefa de cuidar das crianças no tipo de sociedade em que vivemos é atribuída às mulheres; em segundo lugar porque muitas mães que já possuem cabelos alisados/relaxados e que também iniciaram esse processo precocemente. A ausência de informação sobre os cuidados com cabelos crespos e cacheados é um fator importante para o início desses processos que se repetem mais tarde no cabelo das filhas.

O processo de transição capilar pode representar para algumas mulheres uma reversão desse ciclo. Inspiradas pela volta ao cabelo natural das filhas, muitas mamães também decidem entrar em transição. Esse foi o meu caso e o caso da Raysa também. A Raysa fez uma postagem lindíssima sobre como incentivar as mães a voltar ao cabelo natural onde fala um pouco sobre essa experiência. Pensando nessa postagem e no pedido de vocês vou tentar sugerir alguns passos importantes para falar com família, familiares e amigos sobre transição capilar.

Falando sobre transição capilar com a família

  • Explique tim tim por tim tim: quem está nesse mundo de blogs, sites, páginas e grupos de ondulas, cacheadas e crespas já tem contato com nosso dicionário e sabe o que termos como transição capilar, big chop e day after significam. Mas para o resto do mundo essas coisas ainda são pouco conhecidas. Por isso na hora de comunicar a decisão de entrar em transição capilar é muito importante explicar o que é o processo, qual é o objetivo e qual é a importância de passar por ela pra você. Por que você decidiu voltar ao cabelo natural? Essa é a grande questão.
  • Dialogue: Durante a transição você pode esbarrar com algumas frases preconceituosas da família, de parentes ou até de amigos. Às vezes o preconceito das pessoas mais próximas só fica visível quando entramos em transição. Ajudar a desconstruir esses preconceitos em torno do cabelo natural é uma parte importante desse processo. É verdade que a tarefa exige muitaaaa paciência e às vezes exige também firmeza de posicionamento.
  • Mostre inspirações: Uma imagem vale mais que mil palavras! Na internet existem várias fotografias que ilustram bem a transição capilar. Essas inspirações de mulheres reais que passaram pela transição mostram que é possível sim, voltar ao cabelo natural.

Outras leituras sugeridas:

Relacionamento amoroso e transição capilar: um capítulo a parte

Recomendados para você

15 Comentários

  • Reply Adélia Daniela 12 de outubro de 2015 at 10:37

    é um assunto bem complicado o da menina que a mãe fez relaxamento! não soube dessa não. Eu como mãe me acho no direito de fazer o que julgo melhor pra meus filhos, mas acho horrível essa atitude de passar quimica na menina de 2 anos! complicado! por aqui estou em transição há 1 ano e 6 meses e quando falei em cortar marido não aprovou muito não, mas cortei assim mesmo, e todos adoraram o resultado.

    • Reply Maressa De Sousa 15 de outubro de 2015 at 11:04

      Oi Adélia, tudo bem?

      Eu não sei ao certo os detalhes mas parece que essa moça testou na filha um produto novo voltado para o público infantil que servia para relaxar e alisar os fios. Um dia depois ela postou uma nova foto mostrando que o objetivo daquele procedimento era apenas abaixar o volume e facilitar os cuidados com os cabelos da criança. O produto não chegou de fato a alisar. Para além de falar de um sujeito específico, nesse caso a mãe, eu penso que esses processos químicos de alisamento e relaxamento são agressivos e podem ser pelo menos adiados. Eu não conheço a empresa que lançou esse produto mas pensando também num contexto mais amplo, me preocupa esse apelo cada vez mais precoce para esses processos.

      Cuidar de cabelos crespos e cacheados é uma dificuldade que muitas mães relatam pra gente aqui no Cacheia, por isso temos lançado algumas postagens com esse objetivo. No fim das contas, muitas de nós alisaram os cabelos por ausência de mais informações sobre esses cuidados. Acho que esse contexto têm mudado bastante, embora o tipo de informação do qual estamos falando ainda não alcance a todas as pessoas :/

      Depois mostra pra gente lá no inbox do Facebook como ficou seu cabelo! Vamos adorar ver *-*

      Beijos!

  • Reply Carol Costa 13 de outubro de 2015 at 13:10

    Esse assunto muito me interessa Maressa! Já passei pela transição capilar e hoje estou super feliz com meus cachos, mas não foi fácil enfrentar a opinião de familiares e amigos, em especial minha mãe. Quando casei e decidi que no dia da cerimônia usaria meu cabelo natural ela ficou furiosa, acredita? Até hj, mesmo de forma mais sutil, ouço dela comentários sobre alisamento e escova. Como não suporto mais discutir com ela, geralmente ignoro, mas não é fácil. :(
    http://dibobis.blogspot.com.br/

    • Reply Maressa De Sousa 15 de outubro de 2015 at 10:52

      Essa resistência familiar é muito difícil Carol, especialmente quando vem de pessoas mais próximas. Minha mãe casou com um super black power, mas depois virou cabeleireira e acabou alisando o cabelo. Quando decidi entrar em transição foi complicado. Ela não queria que eu usasse black power pra começar, foi uma das primeiras coisas que ela me disse :/ O curioso é que apesar de tudo, foi ela quem fez meu BC, é ela quem corta meu cabelo ainda hoje e também me ajuda a pintar. Relações familiares são muito porosas mesmo.

  • Reply Tatiana 14 de outubro de 2015 at 10:47

    Olá Maressa! Adorei o post. Estou assumindo meus cachos definitivamente e tenho uma situação igual a que você descreveu: minha sobrinha, que tem cabelos cacheados, avó e tia maternas cabeleireira e a mãe que alisa o cabelo e fizeram selante na minha sobrinha desde os 4 anos-quando entrou na escola- (sou tia paterna). E essa semana minha sobrinha, que tem hoje 8 anos, me falou que disse para a avó que não queria mais alisar o cabelo e a resposta que recebeu foi NÃO. Acho que justamente por achar mais fácil de se estar cuidando no dia a dia (pois é só fazer um rabo e tá pronto para a escola). É muito complicado essa questão da família e no meu caso, que minha sobrinha fica com a gente somente nos finais de semana alternado é pior ainda, como você pode dar uma opinião, sabendo que a resposta será: ” você não arruma todos os dias pra escola, etc…”?????? Única coisa que disse para ela é ir tentando convencer a Avó e que se precisar ajudaria nos cuidados, mas é muito frustrante…. Bjs a todas…

    • Reply Maressa De Sousa 15 de outubro de 2015 at 10:48

      Que situação complicada Tatiana! Já recebemos aqui no blog mensagens de algumas meninas muito novinhas pedindo ajuda para não terem seus alisados mais uma vez. A última mensagem foi de uma menina de 11 anos. Meu coração aperta quando vejo isso :(

  • Reply Carine Ferreira 14 de outubro de 2015 at 19:30

    Amei o post! Minha mãe não debateu quando eu falei que eu iria voltar ao cabelo natural… na verdade, ela não levou a sério, achou que eu não conseguiria me desfazer das químicas e chapinha. Hoje depois de meses, ela vê que foi sério… e algumas vezes, acho que até inconscientemente, ela solta uns comentários que não me soam bem, por exemplo: quando vou sair, horas antes ela já fica me perguntando se eu já sei como vou arrumar meu cabelo para poder sair, aí quando eu estou com ele solto, ela fala que tá bonito, mas que deveria ter menos volume.
    Eu não discuto, só que de um jeito discreto passo pra ela que o charme está exatamente no volume kkk. Ultimamente, muitos familiares meus ligam para ela e fazem elogios ao meu cabelo atual e eu percebo que isso faz com que ela apoie um pouco mais essa decisão que tomei. Nossa, que texto esse meu comentário! kkk Bjos

    • Reply Maressa De Sousa 15 de outubro de 2015 at 10:42

      Oi Carine! Tudo bem?

      Ainda enfrento uma resistência da minha mãe também e de alguns familiares que não gostam quando meu cabelo está volumoso, mas não foi nada perto do início da minha transição. Aí sim a resistência foi enorme. Minha mãe está em transição e acredito que ainda está redescobrindo o próprio cabelo e deixando alguns preconceitos que ela mesma foi incorporando ao longo do tempo. Ela ainda fala em cabelo “ruim” e cabelo “bom” às vezes, isso me chateia bastante. Mas eu sou otimista, acho que tudo isso é processo e que esses preconceitos podem ser quebrados.

      Abraços!

  • Reply Katânia Nascimento 21 de outubro de 2015 at 20:59

    Olá meninas!
    Essa questão de família é complicado, quando eu passei pela transição muitos disseram que não ficariam legal,
    meu irmão dizia que iria ficar ridículo, minha mãe ora dizia que ia ficar bom, ora dizia que ficaria feio por eu ser gorda e ter o rosto redondo(Vê se pode!). Quando eu acabei, a maioria gostou e admirou muito minha coragem e meus cachinhos :D, mas tem aqueles que sempre te mandam alisar, aqueles que te colocam apelidos absurdos(meu irmão faz isso comigo e eu nem ligo), que te mandam dar um “sustinho” na raiz, a unica coisa que eu posso dizer é: deixem as opiniões alheias de lado, sejam felizes como querem ser, e caso vc dependa de alguém financeiramente,
    coloque tudo na ponta do lápis, compare que o valor que vc gasta com progressiva e relaxamento é o mesmo valor(ou até menor) que vc vai gastar com cremes e shampoo.
    Bjoks

    • Reply Maressa De Sousa 31 de outubro de 2015 at 08:49

      Excelente dica Katânia! Na postagem eu tratei principalmente de quem depende financeiramente e das dificuldades que isso pode gerar. Em geral, percebo que a maior resistência dos pais/familiares é em função de algum preconceito já enraizado em relação ao cabelo natural ou a crença de que os fios alisados são mais práticos mas se o grande argumento for estritamente financeiro, vale a pena colocar na ponta do lápis sim!

      Abraços!

  • Reply Naty Protasio 23 de outubro de 2015 at 10:10

    Oi Maressa!

    Há pouco comentei em um post da Ster sobre o inicio da minha transição!
    Minha bebê tem 1 ano e 10 meses e possui os cachos mais lindos que já vi. Enquanto eu cuidava e curtia seus caracóis, fazia progressiva nos meus. Irônico, né?! Foi isso que me incentivou a aceitar os meus cachos e dar a eles a oportunidade de ser o que são! Quero dar a ela o exemplo! rs
    Eu não julgo mães que partem para o alisamento em suas filhas, pois não é fácil e nem prático cuidar de cabelos crespos de crianças. Você prender, arruma e daqui a pouco a criança tá com o cabelo todo solto de tanto correr, rolar no chão, etc. Mas a saúde vem em primeiro lugar, né? Até hidratação caseira natureba, tenho receio de usar! O cabelo da minha filha é naturalmente seco nas pontas e vive dando nós! Brinco que vira um “ninho de mafagafos”! Mas quando ela estiver maiorzinha, ela mesma vai aprender a cuidar dos cachinhos. Até lá… paciência e bom humor!
    OBS: minha bebê tem dermatite atópica e sua pele/couro cabeludo são propensos a alergias. A Alergista indicou a linha Baby Dove Sensitive (shampoo/condicionador) pois é hidratante e hipoalérgica (o que é fundamental para quem tem dermatite atópica). Só encontrei o Shampoo e ele é liberado para Low, não é? O Shampoo tem 400ml e custou R$ 13,00. Achei o preço bom para uma boa quantidade! Fica aqui a minha sugestão de uma resenha! rsrsrs

    Bjos e parabéns pelo trabalho!

    • Reply Maressa De Sousa 31 de outubro de 2015 at 08:30

      Oi Naty! Obrigada pela sugestão :) Vou passar essa informação para a Mariana, ela tem feito várias postagens destinadas ao cuidado do cabelo dos pequenos <3

      Abraços!

  • Reply Edhyelem 10 de abril de 2016 at 16:47

    Vi esse texto agora. Estou no processo de transição justamente por causa da minha bebê de 1 ano e 3 meses. Fiquei imaginando o dia que ela ia pedir pra alisar, uma vez que eu mesmo alisava o meu. Então se o exemplo arrasta, resolvi voltar as origens. Mas fácil não é. Contudo, quero que minha filha cresça sabendo o quanto é bonita com seus lindos cachos.

  • Reply Jennefer Dias 13 de abril de 2016 at 11:52

    Eh sei como é! Ontem fiz o BC, meu pai corto meu cabelo (ele é cabelereiro, ok?) hahaha e achou tudo bem eu passar pela transicao, meu noivo mega me apoiou tbm, mas..maaaaas, quando chego em casa minha mae olha e fala: pq vc fez isso? Q cabelo ruim, pq vc deixou ela fazer isso? Eu tentei rir e tals, mas so Deus sabe o quanto isso doi, é a segunda vez q passo pela transicao e a primeira vez eu desisti por conta dela, mas hoje eu to tao feliz de conhecer pela primeira vez como eh o meu cabelo de vdd! ( Sim, primeira vez e tenho 24 anos) assim q meu cabelo comecou a enrolar com 11 anos minha mae me levou pra fazer relaxamento pq meu cabelo tava ficando ” ruim”. Foco, força e fé pra enfrentar os palpites da minha mae.

    • Reply Maressa De Sousa 13 de abril de 2016 at 21:03

      Muita força Jennefer <3 Você é linda e seu cabelo natural também!

    Deixe um comentário!

    error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não deve ser copiado ou reproduzido sem permissão prévia e sem atribuição dos créditos. Blog Cacheia 2013-2016.