Como incentivar a aceitação do cabelo natural em crianças

Tenho certeza que muitxs de nós nos lembramos da época traumática de escola, das piadinhas com nossos cabelos, da falta de representação. A Lari já escreveu sobre a importância de incentivar a aceitação do cabelo natural das crianças, porém, partindo pro plano prático, como incentivar a aceitação do cabelo natural em crianças? Apesar de não ter filhotes, crianças, ou não conviva diretamente com educação dos pequerruchos, entendo que é sempre legal emponderar as crianças desde cedo para que se sintam confiantes para usar os cabelinhos naturais.

1. Naturalize-se você mesma/mesmo

tongues-1031219_960_720

Não adianta nada repetir o quanto o cabelo da criança é lindo, se você não aceita e samba dyvando na cara da sociedade com o teu próprio cabelo. O primeiro passo, e talvez o mais importante, é se naturalizar. Exemplos transmitem muito mais força do que palavras e, por vezes, crianças esperam que adultos tenham comportamentos coerentes. Se você disser pros pequenos comerem cenouras quando você não come, não vai adiantar.  É exatamente a mesma coisa com os nossos cachinhos!

 


2. Compre brinquedos parecidos com ele/ela

lfralie

É hard se achar bonita ou interessante quando todos os nossos brinquedos têm bonecas lisas, loiras, olhos azuis. Tá aí a importância de se comprar brinquedos com estética parecida com a da criança, pois a partir disso, você constrói uma identidade em que a criança, além de se aceitar como padrão, também se vê tão linda quanto a boneca que está brincando. Além dos cabelos, há também uma discussão aprofundada sobre o significado político de uma boneca negra. Recomendo fortemente que leiam!


3. Cuidado com o vocabulário

Quando somos crianças e estamos sendo educados e socializados, internalizamos o que os adultos falam conosco. É de fundamental importância que não utilize palavras como “ruim”, “fuá”, ou “sarará” para se referir aos cabelos dos pequenos, mesmo que de brincadeira! É natural que pessoas de fora não tenham o mesmo cuidado, mas o objetivo aqui é torná-los fortes para enfrentar essas adversidades!  Você pode até adotar apelidos carinhosos, como leãozinho, e elogiar sempre que puder para torná-lxs confiantes da própria beleza.


4. Deixe a criança livre para explorar e conhecer o próprio cabelo

child-from-egypt-1447016_960_720

Quando eu era mais novinha, adorava brincar e deixar o cabelão todo pro alto. Às vezes ainda fico brincando com os cachinhos, e recebo umas brincadeiras em casa do tipo “que susto!”. Ok, eu cresci e posso rir disso e continuar com meu hair grandão e volumoso. Porém, isso pode tornar uma criança insegura.

Também muitas pessoas ficam traumatizadas com a imagem de pentear um cabelo crespo (porque dói se não pentear certo!). Então cuide com muito carinho, seguindo as dicas de adultos daqui do blog mesmo. Até os seis anos, precisam de quase que total assistência dos pais para cuidarem dos cachinhos. Mas não force esse momento, e mostre que cuidar do cabelo pode ser um momento legal de relaxamento. Depois dessa idade, deixe produtinhos baratos acessíveis para que testem e aprender a cuidar do cabelo do próprio jeitinho. E não fique na ânsia de deixá-los “arrumados”, ou prender o cabelo, fazer tranças e penteados complexos. Deixe que elxs descubram o cabelinhos, deixem que sejam livres até para escolher como o cabelo vai ficar.


5. Procure programas de TV e entretenimento onde há representatividade

fgptfdk

A regra do brinquedo também vale pro que as crianças assistem ou leem! Não conheço ainda esse tipo de entretenimento, porém estou pesquisando para expandir esta lista (e sempre aceito sugestões)!

Algumas dicas:

– Zack e Quack
– Milly e Molly
– Super Why: a Princesa Ervilha
– A Dr Brinquedos
– SOS Fada Manu

Livros:

Menina bonita com laço de fita (Ana Maria Machado, Ática, 2000)
Os Mil Cabelos de Ritinha” (Paloma Monteiro e Daniel Gnatalli)
Dandara, seus cachos e caracóis (Maíra Suertegaray e Carla Pilla)
Princesa Violeta (autora: Veralindá Ménezes)
O menino marrom (Ziraldo)
Pretinha de Neve e os sete gigantes (Rubem Filho, Paulinas)
Tatá e Ritinha em Cabelo Ruim!? Como assim? (Neusa Baptista Pinto, Tanta Tinta Editora)
Betina (Nilma Lino Gomes)

Filmes:

– Kiriku e a feiticeira
– A princesa e o sapo
– Cada um na sua casa

Mais sugestões no post: Materiais para trabalhar a questão étnico-racial com as crianças


6. Não engula desaforos: ensinem as crianças a se defender!

Nós não somos obrigados a levar brincadeiras numa boa. Especialmente brincadeiras que machucam. Não permitam que suas crianças sejam discriminadas na escola, ou por vizinhos, não aceite piadinhas maldosas.


Espero que este post tenha ajudado a todxs que convivam com crianças crespas e cacheadas! Fortalecer a confiança dos pequenos é essencial. Lembrando que o debate do cabelo não se descola do debate do racismo, está bem pessoal?

Beijocas encaracoladas e até mais,

Raysa França

Raysa, 21 anos, vegana, belo-horizontina e mineira de coração. Estudante de ciências sociais, apaixonada com pessoas, animais, viagens, desenhos animados, culinária e cabelos.







comments

Comentários

Post perfeito, como todos os que li nesse cantinho!

Sempre tive cabelos cacheados, e amava. No ano em que casei (2003) abusei de tinta, relaxamento (usava para “abrir” os cachos erroneamente) e ele começou a quebrar. A saída foi jogar uma definitiva que me ganhou pela praticidade! Até ano passado fui escrava de progressivas, relaxamentos e coisas do tipo, mas depois que fui mãe, veio uma vontade fortíssima de voltar aos meus cachos. Acho que isso também vai ajudar e servir de exemplo pra minha filha se aceitar e não ligar pra opinião reprovadora dos outros.

Dicas de produtos pra usar nos cachinhos (lindos) dela, please? Ela tem 2 anos e meio, e morro de medo de “quimicar” muito as molinhas!

Beijocas, amoooo esse cantinho!!

Oi Lilica! <3
É incrível como a maternidade parece ser uma experiência que muda tanto as pessoas, né? Isso é tãaao lindo! Hahahah <3
Os produtinhos liberados para low poo são ideais!
Pra hidratação: kanechom kids, você pode batizar com óleos, glicerina e bepantol!
Para creme de pentear: yamasterol, aqueles de criança, skala! <3

Bjocas e boa sorte!

Raysa, sua linda!

Seu feedback é super importante, obrigada!!

:*

Poxaaaaaa, que isso, fico bem feliz!!! <3 Obg

[…] e psoríase? Cuidando do cabelo com pouca água! FAQ: Perguntas e respostas das leitoras Como incentivar a aceitação do cabelo natural em crianças Rotina Cacheada com Laryssa Rosa Rotina Cacheada com Marcela Bueno – Cachos Platinados […]

Bom dia cacheadas!!!!
Bem, desde os 8 anos de idade minha maë alisava os meu cabelos ,hoje eu com 39 anos tenho um casal de filhos ambos com cabelos cacheados, e o meu sempre liso, ela tem dois aninhos e senti uma necessidade de ser referência pra ela não só em educação mas também em atitude, a três meses com raiz crescida quero meus cachos de volta, se bem que pela raiz o que andei pesquisando meu cabelo é tipo 4 mas não me importo quero minha essência, sofri muito preconceito mas como já falou a cacheia “cresci” e quero que minha filha se aceite e esteja preparada para o que vier.
Obrigada.

Oi Edja! Poxa, que depoimento linnnnnnnnnnnnnndo de morrer! <3 Admiro muito tua força! Coragem pra ti e boa sorte! O que precisar, estaremos aqui, tá?

Beijocas

Oi eu tenho 8 anos e minha mãe Tabem alisava meus cabelos mais o meu é cachos graças a o creme arga

Oi gatinha!
Que bom que agora você usa o cabelinho natural!
Aposto que tá ainda mais linda!

beijocas

A criança precisa de exemplos nos quais se inspirar, se ela vê a mãe que alisa o cabelo, amiguinhas de cabelo liso, princesas da disney de cabelo liso, como ela vai gostar de ser “diferente”? Adorei o post, a criança precisa ser estimulada a apreciar a sua naturalidade. Vejo também que muitas mães alisam o cabelo da criança porque fica mais fácil para elas cuidarem, assim a criança já cresce dentro daquele “vício” e muitas vezes nem conhece seu próprio cabelo :(
http://www.manualdoscachos.com/

Olá Jana, tudo isso que vc falou é verdade :(
Crianças procuram referenciais o tempo inteiro nos adultos!

Beijocas

Simplesmente amei o post!!
Sou professora e acompanho bem de perto esse tipo de comportamentos que discriminam quem tem cabelos cacheados… muitas das dicas irei usar em sala de aula!!

Oooi Rosi!
Nossa, que legal! É muuuuuuuuito melhor quando a criança tem apoio de professores também!
Acho mto legal quem trabalha com educação ter esse cuidado também!

Bjocas

Oiiiii, gostaria de saber em quanto tempo de transição você fez o bc?

Olá, eu entrei em transição em agosto de 2013 e tirei toda a parte lisa do cabelo em agosto de 2014! Foi um ano quase certinho! :DDD
Bjocas

Parabéns pelo post Raysa! Muito bom trazer essa questão da representatividade a tona. Acho que a infância é a época mais difícil para lidar com o cabelo crespo. Quando criança sofri muito preconceito por ter o cabelo crespo e curto, não tinha ninguém para me espelhar, minha mãe não tinha informação para lidar com o meu cabelo, na hora de pentear doía muito, enfim era dramático.
Acredito que todos os tópicos apontados por você são muito importantes para o conhecimento e o empoderamento das crianças e seus cuidadores.
Muito bom!
Irei compartilhar na minha fan page, acho que irá ajudar muita gente.
Bjão ;)

Ei Cis! Lindona, desculpa pela demora para responder o seu comentário, é que eu tô cheia de coisa pra fazer mesmo!

Bom, a infância e a pré adolescência são períodos mais difíceis pra lidar mesmo. Acho que é porque são fases que nossa identidade está se construindo.
Minha mãe também apesar de ter tentado muito incentivar isso em mim, não tinha a informação, como você disse. Acho que a internet deixa tudo bem mais fácil.
Hoje em dia eu empondero minha mãe e estou tentando convencê-la a fazer o BC.

Muito obrigada pela participação!
Beijocas <3

Não tenho filhos. Não tenho cabelo cacheado, embora eu quisesse e tenha me esforçado muito pra isso, não tem jeito: ele é ondulado!
Minha irmã mais velha é cacheada e ela me deu uma sobrinha afilhada linda, cacheada. As duas têm cachos naturais, mas nenhuma das duas sabem lidar com os cabelos. Digo mais, no fundo minha irmã não aceita o cabelo que tem e acaba refletindo isso na minha afilhada. Minha afilhada tem 11 anos e só agora está começando a usar o cabelo solto! O cabelo passou tantos anos preso, esticado num rabo-de-cavalo/boi-lambeu que agora, solto, o coitado está tendo dificuldade de encontrar sua forma de novo. Eu sempre incentivei a liberdade da cabeleira, mas minha irmã sempre prendeu. Sempre dei dicas, cortei os cabelos delas de forma linda e curto o suficiente para não dar para prender! rs. Bem, minha irmã encontrou um jeito de “domar” os cabelos: creme até a alma e pente fino, resultado: cabelo lambido. Um dia minha afilhada estava na minha casa e nós íamos pro cinema, ela se arrumou e veio com um pote de gel, pente e elástico pra mim: “dindinha, prende meu cabelo?”
Olhei pra ela e perguntei “tem certeza? Acho que ele ia ficar tão lindo solto, com uma tiara pra mostrar o seu rosto…” Ela me respondeu: “mas se deixar ele solto, ele vai encher. Sempre enche!” Eu expliquei que não enche nada além do que tem que “encher”, o volume natural dele, que é lindo. “Como eu queria que meu cabelo fosse igual ao seu, minha princesa…” Ela aceitou o cabelo solto, eu arrumei com a tiara, ficou lindo! Minha irmã quase infartou quando nos encontramos no cinema, mas tentou disfarçar: “você trouxe um elástico pra prender o cabelo dela?” “Não.” “Melissa, o cabelo dela já está ‘cheio’, minha filha vai ficar igual a um leão quando o cabelo secar!” “Vai nada, o cabelo já está seco e esse é o volume que ele tem. Você prendeu por tantos anos o cabelo dessa menina que nem sabe como ele realmente é.” Minha afilhada está começando a usar mais o cabelo solto, e minha irmã ainda tem muito o que aprender com o próprio cabelo.

Olá Melissa.
Não adianta, é justamente isso que eu falo no post.. Se a mãe não aceita, isso acaba refletindo na filha!
Nossa, que linda você! Continue fazendo isso que com certeza ela vai aceitar o cabelo, e consequentemente, a mãe também!

Beijocas e boa sorte pra elas! Haha

Responder

giovanna nascimento santos

a amiga da minha irmã,ambas de 10 anos,tem uma linda cabeleira cacheada,mas usa sempre preso e com muito creme. percebo que as vezes ela quer soltar, mas logo fica com vergonha e prende. queria saber como ajudar ela com isso :/

Oi Gio!
Poxa, que dó! :(((
Elogie sempre que der o cabelinho dela, compre uma bonequinha com lindos cabelos crespos e volumosos, passe filmes, mostre livros com moças assim!
Mostre o quanto ela e linda!
Beijocas

Olá. Achei o cacheia a pouco tempo e tenho amado os posts. Tenho cabelo com química (primeiro relaxamento, depois fui pro liso mesmo) há quase 20 anos. Comecei já com uns 8 aninhos a fazer, pois meus pais adotivos são alemães e, apesar de se esforçarem muito para aprender, não sabiam lidar com nosso tipo de cabelo. Tenho hoje uma filha de 6 anos e é graças a ela que estou em fase de transição. No começo do ano passado a madrasta dela (que é loira de cabelo liso) disse a ela que o cabelo dela era feio e deveria ser liso, pois assim seria bonito. Adivinhem, ela começou a pedir para alisar o cabelo. Um dia vi um tufo de cabelo no chão do banheiro da pequena, quando me toquei o que era vi que ela tinha pego uma tesoura e cortado a parte da franja. Tomei um susto!! Desde então tenho conversado muito com ela, mostro blogueiras com o mesmo tipo de cabelo e depoimentos delas, fotos de meninas assim e como são lindas. O padrasto dela também sempre elogia como ela é e está linda, sempre incentivando ela a ser quem é e se aceitar assim. Trabalhamos muito isso com ela, mas eu achava que faltava algo. Desde que tive ela sinto falta dos meus cachos, então resolvi definitivamente parar de fazer química em dezembro/2014. Faz pouquinho tempo, mas é um processo de aceitação da minha parte também e está sendo muito bom. Tenho total apoio da pequena e do marido. Conversei sobre o que eu estava fazendo com ela e desde então ela tem se sentido muito mais confiante em relação aos cachinhos!! Esse site também tem me ajudado muito nesse processo. Muito obrigada!!

Então Patricia, a chave é essa mesma. A sua filhinha não ia conseguir achar o cabelinho bonito enquanto você mesma não assumisse, sabe?
Crianças percebem incoerências, e é bem coerente gritarmos pro mundo que o natural é bonito quando nós mesmas não conseguimos, né?

Olha, outra coisa: achei bem feio o comportamento da madrasta! E não acho que você deve brigar por causa disso, porém esse tipo de atitude contra uma criança é bem lamentável, sabe?

Beijocas e boa sorte

Olá Raysa, ótima abordagem e Parabéns pela matéria. Temos que mudar essa mentalidade de que tem que ter um padrão pra tudo, podemos sempre criar algo diferente em nosso cabelos ” cacheados “e cada vez nos tornar mais bonitas!

Olá,vi a reportagem sobre cachinhos e fiquei super interessada com o tema,pois tenho uma menina linda com cabelos cacheados e sei o quanto é difícil o cuidado,por conta do meu cabelo ser super liso natural,ela puxou o lado do pai,mas sempre incentivamos ela gostar do cabelo,durante a semana sempre está preso para ir á escola,mas no final de semana deixamos ele solto,procuro passar os cremes e adorei as dicas,ela tem 5 anos e acho muito fino ainda,um tempo atrás ela perguntava porque o cabelo dela não era igual o da mamãe?e falamos que cada pessoa tem seu jeito especial e o dela era ter seu cachinhos.Por não ter muita prática,passo o creme e desembaraço com o pente,vi durante a reportagem a indicação de passar o creme e desembaraçar com os dedos?é possível com o cabelinho dela?

Olá Mary!

Quanto mais solto você deixar o cabelo da sua filhinha, melhor! e quanto mais você mostrar o quanto ela é linda assim, melhor também!
Se ela puxou o lado do pai, como ele lida com o cabelo? Isso é muito importante! ele corta sempre baixinho, ele se refere como “ruim” e etc? Porque querendo ou não, ele pode acabar sendo referência dela!
Sobre o pente, é super possível sim pentear com os dedos.
Olha só o que eu faço:
– Eu faço o pré poo http://bit.ly/pré-poo, e durante o pré poo mesmo eu desembaraço com pente de madeira ou escova de madeira.
– Depois eu lavo, na fase do condicionador eu dou uma penteada novamente porque é comum o shampoo embolar o cabelo de novo. Mas embola bem menos quando a gente já penteia durante o pré poo!
– Passo o creme de pentear normalmente e depois que seca eu JAMAIS vou pentear! Só arrumo com os dedos mesmo. Meu cabelo só vai ver pente ou escova na próxima lavagem mesmo. Eu NUNCA penteio sem ele estar úmido e com algum produtinho emoliente, tipo óleos ou cremes de hidratação.

Espero ter ajudado! Beijocas

[…] Como incentivar a aceitação do cabelo natural em crianças, da Ray […]

[…] é a mesma regra que nós utilizamos para incentivar as crianças: não adianta nada dizer que os fios dela são maravilhosos, se você não usa os seus naturais. É […]

Nossa que site bacana, sou cacheada , amo meus cachos e confesso que um dia já alisei , devido a sociedade que impõe um padrão de beleza que mexe com o nosso intelecto , onde você começa a se sentir fora da casinha, seu autoestima cai totalmente, mas hoje posso dizer que estou curada, pois é uma doença essa fase de nossas vidas.
hoje me sinto bonita, saio com meus cachos soltos e não deixo de chamar atenção , e confesso que amo isso .

Rozana, quase todas nós já alisamos, infelizmente!
Isso é maravilhoso, quando finalmente aprendemos a nos amar!
Um beijo

Gente, adorei o blog!!! Tenho uma filha com cabelos cacheados, ela tem 8 anos.. já fiz de tudo, mostrei desenhos, filmes, bonecas, converso sempre com ela sobre como o cabelo é lindo, etc, mas ela não usa o cabelo solto de jeito nenhum!! ela toma banho, não gosta de deixar que ninguém penteie o cabelo, as vezes eu consigo pentear, arrumo direitinho, mas daqui a pouco a menina vai e amarra, até meio molhado, e é quase uma luta, mas não consigo convencê-la.. eu fico muito chateada porque sei que ela é linda, mas não gosta dos cabelos… o que eu faço?? Obrigada e bjos

ei Lud, tudo bem?
você sabe se ela já passou por alguma situação chata na escola com alguém? Ou então com a família? Digo isso porque é muito importante também tentar identificar o que tá causando essa situação pra pensar em uma solução. Ainda você conhece algum adulto referencial que possa dar um exemplo pra ela com cabelo cacheado/crespo? Alguém que ela admire, ou ache muito bonita e maravilhosa, e que tenha cabelo cacheado/crespo?
pra vc mostrar pra ela… “filha, olha lá, como ela é linda! que nem seu cabelo!” hahaha algo do tipo.
Isso pode ajudar bastante.

me conta se ajudar!
beijo

Olá meninas! Vim pedir socorro… Hoje li todos os posts sobre aceitação dos cachos em crianças, li os comentários e ainda assim, não sei como fazer.
Meu nome é Juliana. Eu sou ondulada/cacheada assumida, sempre fui,nunca me deixei levar pelos alisamentos. Adepta do low poo há uns 3 anos, quando conheci a técnica. Eu tenho duas filhas, uma de 6 anos que era ondulada, com cabelo na cintura e que quando quis cortar curtinho para doar os cabelos, eles alisaram e agora é doida para ter as ondas e os cachinhos de volta, mas não tem como… mas ela sempre foi tranquila com relação aos cabelos.
Eis que tenho outra filha, linda, dos cachinhos dourados. Bem cacheada, num tom lindo, macio e hidratado. Mas ela não aceita os cabelos. Onde ela vai, chama a atenção, todos falam dos cabelos dela. Em casa, elogiamos, contamos historias, pedimos um cachinho, mas todo dia é um sufoco.
As vezes quando acorda, os cabelos estão embaraçados, precisamos passar um spray com água, desembaraçar, arrumar e tal… mas ela quer prender, um rabo bem puxado, e enquanto não estiver preso bem forte na cabeça, ela não aceita. Dá o maior xilique. A mesma coisa se for uma xuxinha para prender a franja…tem que ser apertada, bem puxada. E assim, ninguém ensinou isso a ela. Ela se incomoda com os fiozinhos soltos, fora do lugar.
As maioria das professoras e monitoras dela tem os cabelos cacheados/crespos e aceitam seus cachos (eu amo e sempre elogio), mas a professora com quem mais tem contato, não! Ela puxa, estica, faz rabo bem preso e eu acho que minha filha tem se espelhado nela. Outro dia teve uma reunião e a professora estava com os cachos livres. Eu a vi, elogiei muito (ela estava muito mais bonita) e ela disse: eu estou com muita vergonha. É a primeira vez que saio com os cabelos assim. O que os outros pais vão pensar? Continuei a elogiar, mas no dia seguinte, estava ela lá, com os cabelos presos novamente.
Enfim, levei minha filha comprar presilhas, enfeites, tudo. Combinamos que prender os cabelos molhados não é legal, que pode ferir e tal… ou que não precisa molhar, que podemos ajeitar… mas não tem como. Ela não aceita. Ela diz que está bagunçado, que eu não sei fazer, que está feio, que não quer… e todos os dias pela manhã tem sido o maior sofrimento. Eu não quero que ela saia se achando feia. Não quero que ela pense que eu não quero arrumar os cabelos dela. Mas o meu jeito de arrumar, não é o jeito que ela quer…acho que deu para entender
Aí, minha outra filha fica de fora (o cabelo dela liso, também é lindo. Encorpado, brilhoso). Toda vez que alogio a de cachinhos, vejo que a mais velha se sente preterida e quer saber se o dela também é bonito, mesmo sem cachinho.
Pelo amor, me ajudem…eu não tou sabendo como lidar… e tem gerado muito conflito em casa…meu esposo acha que é uma fase, que vai passar… que ela ama a professora e se espelha nela…e acha que se a gente parar de falar de cabelo, vai melhorar…mas não tem como, pq na hora de arrumar, pronto, começa tudo de novo!!!

[…] poderoso contra o racismo, principalmente quando falamos de crianças. A Raysa França, do site Cacheia!  escreveu um post com algumas dicas sobre como ajudar crianças a aceitarem seus cabelos, um passo […]


Deixe um comentário

error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não deve ser copiado ou reproduzido sem permissão prévia e sem atribuição dos créditos. Blog Cacheia 2013-2016.