A ditadura do cacho perfeito

Lembro-me de sentar na cadeira do salão de beleza, franzir os lábios e fechar os olhos. Minha felicidade por estar ali após nove meses de transição era tão grande, eu estava tão segura da minha decisão que tinha medo de parecer boba por estar com um sorriso imenso enquanto a cabeleireira cortava mais de dois palmos do meu cabelo. Eu sabia o que eu queria. Eu queria me libertar, eu desejava me encontrar, ter, enfim, o meu cabelo natural novamente.

Grande corte feito, eu saí maravilhada. Amassava o pouco cabelo que eu possuía naquele momento. No caminho, eu pensava em fotografá-lo, entrar num dos famosos e enormes grupos para cabelos cacheados e mostrar para todas as meninas: esses são meus cachos perfeitos. Foi o que eu fiz.

Contudo, a reação de muitas das pessoas que comentaram a minha foto, foi bem diferente do que eu imaginava. Perguntavam se eu tinha mesmo tirado toda a química, avisaram-me que meu cabelo era tipo dois. A moça que mais me marcou, convidou-me a procurar outro grupo, eu tinha ondas, meu cabelo não era cacheado.

De repente eu havia ignorado todos os elogios e me concentrei na incapacidade do meu cabelo de ser o tal cacho perfeito. Eram predominantemente ondas e, realmente, apesar do volume, só algumas pontas meu cabelo formavam cachos completos. Quem eu era, de fato, não interessava. Lá estava meu cabelo fora do novo padrão em que eu me inseria.

Convido todas as leitoras do Cacheia a se aproveitarem do que aconteceu recentemente com a Beyonce e sua filhinha. Proponho que, no meio de toda nossa indignação por ver um abaixo assinado em que pessoas pediam para a cantora pentear o cabelo da filha, nós observemos nosso próprio gosto pessoal. Quantas vezes, na nossa ânsia por ver o cacheado em alta, curtimos fotos nas redes sociais de cacheados volumosos e bem marcados enquanto ignoramos as ondas e os crespos extremos, os sem definição? Quantas vezes lutamos contra nosso próprio frizz porque ele não está enroladinho nas nossas molas que deveriam ser “rebeldemente comportadas”?

Fazendo uma breve análise do senso comum atual, acredito que poucas pessoas admitiriam que querem o cabelo da garotinha penteado por ele ser crespo. Não, crespo tudo bem, mas, assim, tão pra cima? Tudo bem ser afro, mas não forma nenhum cachinho?

Muitas pessoas do próprio movimento de volta aos cachos não entendem que a essência é se aceitar, ser você mesmo, ser natural. Se somos naturalmente cacheadas, ótimo. Se somos crespas ou onduladas, ótimo também!

Que luta é essa que saiu da transição e estacionou no combate aos cabelinhos levantados, ao volume, à falta de definição? Que natural é esse que precisa urgentemente de uma técnica de finalização milagrosa que faça nosso cabelo ser idêntico ao daquela menina do vídeo? Quando é que realmente a transição vai resultar em você, mulher, brasileira, mestiça, única?

Hoje eu sei que meu cabelo não precisa de mais definição. Tenho certeza que o cabelo da filha da Beyonce dispensa pente. No meu íntimo, depois de ter me libertado da ideia de que meu cabelo precisa ser liso, sei com convicção que ele não precisa também ser perfeito. O objetivo é sair do padrão, jamais criar outros. Meu cabelo só precisa ser exatamente o meu cabelo.

Giovanna

20 anos, Belo Horizonte. Brinca de ser educadora infantil enquanto o afeto das crianças educa sua alma. Percebe que suas ondas refletem sua personalidade irremediavelmente romântica e sonhadora. Não quer ser curada.







comments

Comentários

Adorei o texto! Muito bom mesmo, super me identifiquei e concordo.

Uma vez, num desses grupos, uma menina falou a mesma coisa pra mim, mas sabe… eu acho tão desnecessário e inconveniente, parece até recalque (“seu cabelo não é cacheado o suficiente, o seu lugar não é aqui”) – eu hem!

Acho que não tem nada a ver separar o cabelo por grupos, mas por exemplo, meu cabelo não se encaixa totalmente em nenhum grupo, até porque não existe um cabelo cacheado igual ao outro. Na verdade, não existe nem um cacho igual ao outro… E isso é normal.

Esse padrão me cansa, esse “pode” e “não pode” também, cada um sabe o que é melhor para o próprio cabelo porque às vezes o que dá certo pra mim, não dá certo pra você e as pessoas têm que aceitarem o fato de que não há regras (dar dica, tudo bem, mas não impor, sabe?).

Beijos!

É realmente muito difícil lidar com essas coisas…
Que bom que você já se resolveu assim. Dai.
Beijos.

Eu sempre achei algo desnecessário essa forma de pensar das pessoas que os cachos devem ser todos iguais, eu amo as minhas molinhas lindas e cacheadas mesmo tendo apenas 8 meses, e acho lindos dos os outros cachos e simmm, eu amo os crespos <3 nunca fiz cronograma capilar, não vou atras de cremes milagrosos contra o frizz. Gente temos cabelos lindos e pronto, infelizmente já vivo na ditadura de querer ser magra e disso tbem eu irei me libertar,bjs meninas adorei o post ;)

Pois é, Gizele, temos que tentar nos libertar de toda ditadura. Cuidar da nossa saúde e autoestima sem abusos e extremos!
Beijo

Q texto lindo! Da orgulho de acompanhar o cacheia cada dia mais.o meu cabelo também é ondulado e sem definição e agr que larguei a química o aceito exatamente do jeitinho q ele é…

Bônus:(sei q não tem nada a ver com o post mas…) TEXTURIZACAO COM BABYLISS DA MUITO CERTO!!!!!!

Que bom, Maira, aceitar a nós mesmas é o mais importante!
Obrigada pela dica, beijinhos.

Ameii seu texto, falou muito do que eu vejo e sinto, as vezes fico triste por postar fotos com alguma dica em um grande grupo de cacheadas em transição do facebook e ter somente 1 ou 2 curtidas, depois a mesma dica é dado por alguém que tem o cabelo mais enrolado que o meu e recebe 1000 curtidas, não é pelo numero de curtidas mas pela diferenciação que as meninas fazem entre os tipos de cachos!

oi meninas do Cacheia,descobri o blog há umas duas semanas e estou simplesmente amando…as crônicas,as opiniões,a luta explícita contra um ideal de beleza imposto pela mídia e aceito por boa parte da sociedade…eu?cansada dessa sociedade machista,egoísta;cansada de padrões…um beijo a todas e parabéns pelo trabalho…

Oi Lara! Nós que te agradecemos por fazer parte do nosso projeto! Qualquer coisa que precisar, estamos aí <3

Eu sinceramente achei esse site tão ético! E como pode? Meninas jovens, novinhas mais com uma cabeça maravilhosa e ja sabem o que querem!
Estou amando td nesse site, notei mesmo essa ”segregação”nos outros sites rsrs, pois quando vejo as fotos é somente fotos de cachos perfeitos, ou quando não, tb quase não vemos cabelos do tipo 2 a , 2b, 2c, 3a… só em diante que vemos restante de tipos de cabelos em grupos assim… ainda estou na descoberta de meu cabelo, pois não sei quem ele é … E tb acho um tremendo absurdo td isso, pois ja sofremos tanto, com conceitos de beleza e quando finalmente encontramos um grupo sobre transição capilar elas te jogam um balde de agua fria de diversas formas!
Sendo que o principal objetivo de todas é ter seu cabelo sem quimica e natural. E o principal deveriam aceitar ele do jeito que é :)
Um beijinho a todas daqui deste site e que acompanham tb, estamos juntos nessas!

Ah, Camila, sua admiração é de total importância pra nós! Fiquei muito feliz com seu comentário, sua identificação. No grupo que criei, o amigas onduladas, fizemos até nossa própria tabela. Em vez de postarmos fotos de onduladas maravilhosas e produzidas, postamos fotos das próprias meninas do grupo e fizemos um álbum com 2a, 2b, 2c, 2d, 2e, porque acreditamos que se definir é importante para se agregar, dividir experiências e dicas, mas não pode NUNCA excluir. O objetivo TEM que ser esse, senão perde o sentido.
Um beijo, tamojunta!!!

Oi tentei ver a página sua do face e não consigo. Parece que ela não está aberta para o público… Uma pena, eu não tenho redes sociais, mais gostaria muito de poder ver melhor as imagens das onduladas rsrs. Assim como o Cacheia deixa :)
Ficaria muito agradecida ^^
Bjs Cacheia

Oi Camila, não é uma página, é um grupo. Você precisa entrar nele e aguardar ser aceita! Beijos.

Oi poderia me passar o link do grupo por favor? Gostaria de participar :)

O grupo ainda existe? Não estou achando e queria muito participar. Meu cabela está entre 2c e 3a e tenho muita dificuldade de encontrar material sobre esses tipos de cabelo.

Oi Camila! Existe sim, manda o e-mail que você utiliza no facebook pra gente poder te colocar lá!

É cinmos@hotmail.com Obrigada!

Maria Clara Ferreira

O grupo ainda existe? Eu gostaria de entrar também.
email: mclarapf@hotmail.com

[…] o post com as palavras da Giovanna: “Hoje eu sei que meu cabelo não precisa de mais definição. Tenho certeza que […]

Ótima ideia, Camila. Vamos anotar :D
Beijinhos

[…] em buracos mais fundos do que aquele que a chapinha e a química nos colocou. Se não for pela ditadura do cacho perfeito, nos deixamos ser escravizadas pelo cronograma capilar ou pela necessidade de ter o cabelo desse […]

[…] a nossa luta não é para que mais e mais pessoas se sintam naturalmente lindas? Então por que padronizar um tipo específico de cacho? Por que se iludir com produtos para “abrir os cachos” ou “reduzir o volume da […]

[…] de leitura: Tipo de Cacho – como identificar o seu + dicas , A ditadura do cacho perfeito , Eu não sou a Taylor Swift , O cabelo tipo 4 e a hierarquização da textura […]

[…] importante sempre ressaltar, que não adianta você largar a química e a chapinha, na tentativa de obter cachos perfeitos e hierarquizar um tipo de textura […]

[…] no Cacheia a gente sempre fala sobre isso; A ditadura do cacho perfeito, O cabelo tipo 4 e a hierarquização da textura capilar, Qual é o tipo do meu cabelo, Eu não sou […]

Eu passei pela transição há 2 anos atrás, antes de criarem sites totalmente dedicados as cacheadas e antes de saber que o que eu estava fazendo era chamado de “transição”. Hoje já tenho meus cachichos compridos e 100% de volta, mas ainda assim, me inspira muito ler artigos como esse! Obrigada e obrigada.

Oi Camila! Somos duas <3 e nós que te agradecemos por acompanhar o Cacheia! Beijos!

Olá meninas!
Conheço o blog a uns dois meses e já virei fã de vocês. Todas. Visito todos os dias.
Tenho buscado ler sobre a transição, já que pretendo passar por ela. Faço BN e estou sem retocar meu cabelo a apenas um mês.
Todo esse papo de aceitação é muito encorajador e bonito de se ler. Vocês conseguem realmente dar uma ‘nova’ visão pra essa questão da ditadura da beleza, dos cachos,sobre preconceitos e acho isso muuuito legal!!
A questão toda é que pra mim está sendo muito complicado. Não é simplesmente falar: Vou me aceitar do jeito que sou! E.. plim. Resolve-se tudo. Tenho toda uma bagagem, uma vivência em regras e ditaduras e quebrar paradigmas não é fácil. Ainda não conheço meu cabelo, sempre usei química.. e vai ser uma grande surpresa quando descobrir que meus cachos não são cachos. por exemplo!
Vou aos poucos e espero chegar nesse estágio de vocês. Fortes e decididas.
Beijos e muito obrigada pela ajuda.

Oi Ruthe! Nós agradecemos muito por reconhecer nosso trabalho <3
É bem difícil mesmo, não é nada de um dia pro outro. A auto aceitação é um processo muito difícil e complicado, mas que vale muito a pena viu? Temos várias discussões dessa no blog, vale a pena você continuar acompanhando!
Beijos, linda <3

Pode fazer um com essa ditadura do BC também ? Tá foda de lidar e esta feio de ver.
Cacheadas que não respeitam o tempo das outras, sem medir as consequencias psicologicas e reais que o big chop pode trazer se feito sem nem a menina saber cuidar do cabelo direito.
Ao invés de ‘ vamos nos libertar ‘, elas precisam é do ‘ vamos acordar ‘, nem só de maquina zero se passa por uma transição.

Com certeza Ana! O tempo pro BC é bem particular! Nossa liberdade começa quando libertamos as outras também. Cada uma sabe o que é melhor pra si :)


Deixe um comentário

error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não deve ser copiado ou reproduzido sem permissão prévia e sem atribuição dos créditos. Blog Cacheia 2013-2016.